Notícias

Instituições financeiras reduzem projeção de crescimento da economia

Publicado em : 13/05/2019

O mercado financeiro continua a reduzir a estimativa de crescimento da economia este ano. Pela 11ª vez seguida caiu a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Desta vez, a estimativa foi reduzida de 1,49% para 1,45% este ano. Para 2020, a projeção foi mantida em 2,50%, assim como para 2021 e 2022.

Os números são do boletim Focus, publicação semanal elaborada com base em perspectivas de instituições financeiras sobre os principais indicadores econômicos. O boletim é divulgado às segundas-feiras, pelo Banco Central (BC).

Inflação

A estimativa de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) permaneceu em 4,04%, este ano. Para 2020, a previsão segue em 4%. Para 2021 e 2022, também não houve alteração: 3,75%.

A meta de inflação deste ano, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

A estimativa para 2020 está no centro da meta: 4%. Essa meta tem intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para 2021, o centro da meta é 3,75%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. O CMN ainda não definiu a meta de inflação para 2022.

Para controlar a inflação, o BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic. Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer no seu mínimo histórico de 6,5% ao ano até o fim de 2019.

Para o fim de 2020, a projeção segue em 7,50% ao ano. Para o fim de 2020 e 2021, a expectativa permanece em 8% ao ano.

A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada nas negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic).

A manutenção da Selic este ano, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação.

Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo.

Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação.

Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Dólar

A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar segue em R$ 3,75 no fim de 2019 e em R$ 3,80 no fim de 2020.

 

 

Notícias

Análise de dados deve definir tomadas de decisão nos supermercados

23/05/2019 Blog Apas Show

Segundo especialista Alexandre Ribeiro, lojas com informações bem tratadas ganham em rentabilidade

Por iniciativa de Glaustin da Fokus, Câmara dos Deputados debate transparência de multas contra supermercados

22/05/2019

Audiência pública reúne líderes empresariais e representantes de órgãos fiscalizadores para tratar do artigo 57 do Código de Defesa do Consumidor

O que o comportamento do consumidor diz sobre o layout de loja

21/05/2019

Pressão no atacado e varejo diminui e IGP-10 desacelera alta a 0,70% em maio, diz FGV

20/05/2019

Presidente da Agos marca presença na abertura da 1ª ExpoNerópolis

17/05/2019

Nestlé entra no mercado de cafés torrados

16/05/2019

Vendas no varejo tem alta de 1,9% em Abril, mostra ICVA

15/05/2019

Grandes redes investem em serviço de delivery no Brasil

14/05/2019

Carrefour e GPA largam na frente e começam a explorar mercado de entregas

Presidente da Agos marca presença no jantar de negócios Adoralle

10/05/2019

Vinícola Aurora fica entre os melhores estandes da Apas Show 2019

10/05/2019
voltar para página anterior
AGOS - Associação Goiana de Supermercados